segunda-feira, 25 de agosto de 2014

Resenha - A Verdade Sobre Nós



A Verdade Sobre Nós
Autor:  Amanda Grace
Tradução: Regiane Winarski
Numero de Páginas: 208
Editora:  Intrínseca
Madelyn Hawkins está cansada. Cansada de ser sempre perfeita. Cansada de tirar A em tudo. Cansada de seguir à risca os planos que os pais fizeram para ela. Madelyn Hawkins está cansada de ser algo que não é, algo que não quer ser. E então ela conhece Bennet Cartwright. Inteligente, sensível, engraçado. A seu lado, ela se sente livre e independente. Uma história que poderia muito bem ter um final feliz, não fosse por um detalhe: Maddie tem apenas 16 anos, e Bennet, além de ter 25 anos, é seu professor. Pressionada pelos pais a participar de um programa para jovens talentos, Maddie pula dois anos do Ensino Médio e vai direto para a faculdade, onde conhece e se apaixona pelo professor de biologia. O sentimento é recíproco, e para dar uma chance àquele novo relacionamento que lhe faz tão bem, ela decide não contar para Bennet sua idade. Não demora muito para que as coisas comecem a dar errado, e as consequências da farsa de Maddie ganham contornos devastadores quando a verdade vem à tona. 
 Começo essa resenha já dizendo que esse livro não é o que parece, me enganou direitinho com essa capa. Solicitei ele achando "Ah, vai ser algo fofinho, sobre um casal adolescente, quem sabe um NA legal" pois bem se você está achando isso, já sabe que também foi enganado pela capa! Então, esclarecido isso vamos a resenha.
A Madelyn é chata, ok, não posso fazer nada... ela é chata gente! Sabe aquelas gurizinhas apaixonadas de 14 anos, então ela é assim, só que tem 16. Mas ela também é uma menina prodígio, super inteligente, através de um programa da escola consegue passar a frente de todos os colegas e iniciar a faculdade mais cedo. É ai que o problema começa, ela é muito imatura ainda, nem sabe direito o que quer da vida, mas seus pais a pressionam tanto que ela prefere seguir o roteiro que eles planejaram para ela. Nós vemos o crescimento dela no livro, mas ao mesmo tempo vai dando uma raivinha da mentalidade dela. Em vários momentos do livro me peguei pensando se eu era tão songa-monga com 16. 

"É difícil decidir o que ser quando você só se destaca naquilo que não quer ser. Essa era minha vida. Em preto e branco. E eu desejava cor."

Acho que a autora quis de maneira muito forte pregar a idade dela na testa, nos mostrar como ela era jovem e imatura. O enredo do livro explica por que ela fez isso. Logo na primeira aula da faculdade Madelyn conhece Bennet e ele é tudo aquilo que nós amamos em um personagem masculino, é engraçado, gentil, bonitão, tem uma barbinha por fazer, ó delicia. Obviamente a menina já começa a ver coraçõezinhos e sentir borboletas no estômago. Até ai tudo bem, normal, professor gatinho, aluna apaixonada, nada disso é sobrenatural. 



As coisas tomam outras proporções quando Madelyn e o professor se encontram em uma caminhada, e graças ao cachorro do moço, que se chama Voldemort (AHAHAH), eles se aproximam e meio "sem querer querendo" Bennet abre uma brecha para a menina. Bom, vocês já devem imaginar a treta que vem por aí. Bennet além de ser professor da menina, ainda é dez anos mais velho que ela. Mas Madelyn que já está amando loucamente o cara decide que não vai contar nada sobre a idade, pelo menos não até uma data que os dois estipularam para enfim poderem "ficar juntos", o fim do semestre. 
Bennet é um bom professor, é um cara "responsável" mas vive se encontrando com a aluna com o pretexto de conversar, eles não se beijam antes do fim do semestre, ok, mas óbvio que tudo estava errado né gente!
"Acha que foi o destino Bennet? Acredita em destino? Eu acredito. Assim como acredito em almas gemeas e em amor a primeira vista. Acho que não dá para acreditar em apenas uma dessas coisas. Tenho a impressão de que são preciso as três."

A maneira como o livro foi escrito é muito interessante, trata-se de Madelyn escrevendo uma carta para Bennet, para livrar ele de problemas, aí nós já sabemos que obviamente algo deu errado nessa história cheia de mentirinhas inocentes.(JUUUUUURA?) Mas essa perspectiva da personagem é interessante por que ela vai dando aos poucos dicas do que acontecerá, e também por que a autora deixa muito clara toda a confusão e as coisas que passam na cabeça de uma menina de 16 anos. Ela está confusa e vê no professor uma âncora algo para se firmar, e obviamente se atira sem ver onde vai cair. O livro não é ruim, a narrativa é muito bem escrita, e realmente me surpreendeu em termos de profundidade, eu esperava uma história leve e bobinha e fui pega em um caso de "assédio" então, né gente? AHAHA Mas realmente a unica coisa que me irritou foi essa mentalidade apaixonada da Madelyn, ela é muito insegura e acredita em qualquer coisa que dizem para ela. Não consegui entender muito bem a perspectiva da autora quanto ao quadro, ela acha o que aconteceu errado? Ou acha normal? Mas bem, eu tenho minha opinião guardadinha para mim e isso já basta! Aluna e professor? TALVEZ! Aluna imatura e bobinha com professor maduro, lindo e mais velho? JAMAIS!

"Por que, para mim, o paraíso era onde quer que eu estivesse com você da forma como desejava. E se fosse um chalé tranquilo coberto de neve, então estaria mesmo no paraíso."

Enfim gente, só lendo o livro para criar uma perspectiva mais ampla e saber o que acontece com o casal mal afortunado, tentem, mas vão com calminha, me sinto tranquila que já pude abrir os olhos de vocês quanto a ideia que a capa passa. Então, acho que meu trabalho acabou por aqui!
Me contem o que acharam do livro, já leram, querem me bater, vão ler, me amam? E ai? rs

Comente com o Facebook:

11 comentários:

  1. Oi Camila!
    Nossa, já tinha lido outra resenha deste livro e a história pareceu meio chatinha, mas pela sua resenha agora ela parece super legal! : ) E agora!? Acho que vou ler pra ter uma opinião melhor! Rs!
    Bjos,
    Karen
    http://www.bookadvisor.com.br/

    ResponderExcluir
  2. Hey!

    Ixi, pelo visto eu fui enganada pela capa. Achava que seria exatamente isso. Ai Jesus, pra que ir pra faculdade tão novinha? Eu vim com 19 e ainda acho que me faltava uma certa maturidade. E olha que na minha sala entrou uma de 16 também, então eu sei que não é uma boa ideia. A menina fica perdidinha. Haha um cachorro chamado Voldemort, essa foi boa. Eu não me interessei muito pelo livro não, pra ser sincera. Achei a premissa bem clichê. Mas ótima resenha, flor!

    Beijos
    http://escolhasliterarias.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Né, eu com vinte já achei mega estranho! A familia dela é bem chatinha, então acho que isso a influenciou muuuuito! O cachorro é um dos pontos altos do livro! HUSUASUHASUH
      Obrigada Amanda!

      Excluir
  3. Oi Camila, tudo bem?

    Tenho lido muitos comentários a respeito desse livro.Confesso que não solicitei o livro justamente por causa da capa. Ela não me convenceu de que haveria uma boa história ali. Cara, o cachorro do homem se chama VOLDEMORT HUAHUAHUAHUA Só isso já basta para eu querer ler esse livro. =P

    beijos
    Kel
    www.porumaboaleitura.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu queria um livro nhenhém quando requisitei mas não era para tanto! ASUHAUHUHASUHAS
      Sim como disse antes, esse é um dos pontos altos da história! rs

      Excluir
  4. Olá
    Parabéns pela resenha, não conheço o livro então não posso falar muito. Quanto essa coisa da capa aconteceu isso comigo com o livro "O oceano no fim do caminho" do Neil Gaiman, criei muita expectativa ao ver a capa e o título do livro, mas no fim a história não foi tudo isso para mim, gostei mas nem tanto kk. Bjus!!!
    http://magisbook.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  5. Não criei nenhuma teoria sobre a capa, mas acho ela bem bonitinha hehe A temática até me pareceu interessante, mas por conta dessa personagem chatinha e exageradamente apaixonada que você descreveu, desisti Garotas de Mustache

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ela é meio blééé, mas a narrativa em si é boa...

      Excluir
  6. Comprei esse livro sabendo como a trama ia se desenvolver, por esse motivo não coloquei muita expectativa. É um livro bonzinho, não me arrependo de comprar/ler porque ele foi o tipo de livro que esperava, a história com o professor e tudo o resto, mas uma coisa fiquei revoltada com essa garota que no momento H da questão ela esquece tudo em casa, e não basta isso, não pode parar um quarteirão ante?!

    garotasederivados.blogspot.com.br

    ResponderExcluir

 
Livrologias, por Camila Teixeira © 2015
Design e desenvolvimento por Chave Criativa