Resumo do Filme Lutero – Uma Breve análise

Nesse resumo do filme Lutero, apresento os fatos mais importantes acontecidos na obra cinematográfica de 2003, responsável por retratar de forma bem interessante a vida e as ações de Martinho contra a Igreja Católica.

Martinho Lutero foi um visionário e suas críticas à Igreja Católica mudaram a forma de pensar a religião cristã até os dias atuais. A Reforma Protestante, iniciada no séc. XVI pôs fim a diversas doutrinas católicas da época. O modo pelo qual a salvação divina passou a operar repercutiu em muitas outras religiões derivadas do Protestantismo.

Resumo de Lutero, o filme – Aspectos mais importantes

Lutero - Resumo do filme - Capa

O filme inicia mostrando Lutero no meio de uma tempestade em 1507. Com muito medo de perder sua vida para o mau tempo, faz uma promessa de tornar-se padre.

Após dois anos, ele torna-se monge e passa a viver no Monastério de Santo Agostinho. No entanto, sua visão de Deus não é das melhores. Ele imagina Deus como sendo malvado e vingativo.

Em sua primeira missa celebrada como padre, ele derrama o vinho no altar. O pai, que estava assistindo e que depositou todas suas esperanças no filho, vai embora fervendo de raiva dele. Nem mesmo as súplicas desesperadas do filho o fizeram ficar.

Na próxima cena do filme, o mais novo padre aparece chorando e reclamando de Deus. Como poderia Deus fazer isso com ele? Então, aparece um monge mais velho chamado Johann von Staupitz, que o acalma e diz a ele para parar de olhar para si mesmo e buscar olhar mais para Cristo, o qual não quer mais nada que seu bem.

Descoberta das vendas de indulgências

Após isso, o velho monge o envia à Roma para entregar algumas petições e para que ele esfrie um pouco a cabeça enquanto caminha e vê as construções eclesiásticas. Mas, ao chegar lá, já nota como o lugar estava deplorável. Padres se envolvendo com prostitutas, mendigos pedindo esmolas por todos os lados. E, enquanto isso, no interior das igrejas, não faltava ouro e luxo.

Pouco depois de, praticamente, ter sido expulso da igreja por demorar demais em uma oração em frente ao crânio de João Batista, Lutero fica perplexo ao ver que a Igreja Católica estava vendendo indulgências (forma de diminuir o pecado e as punições divinas para depois da morte) para os entes queridos falecidos das pessoas. De um modo mais simples, a Igreja estava “perdoando” pecados em nome de Deus em troca de dinheiro.

É a partir daí que as dúvidas começam a pipocar em sua cabeça. Ao voltar de Roma, ele demonstra sua indignação para o monge que o havia enviado até lá. Novamente, Johann, para tentar abrir os horizontes dele, o envia a Wittenberg, com pretexto de que a viagem seria para ele estudar e conseguir um doutorado em teologia.

Torna-se professor de teologia

Assim, torna-se padre de Wittenberg. Logo descobre que Roma cobra pelos sacramentos quando um novo padre começa a realizar cerimônias na igreja. Pouco tempo depois, questiona a autoridade da igreja enterrando uma criança deficiente que havia se suicidado no cemitério da província. Para ele deve haver possibilidade de salvação fora da Igreja. A criança não se matou porque queria, mas sim porque suas condições miseráveis de vida a compeliram para isso.

Após conseguir seu doutorado, começa a lecionar teologia na Universidade de Wittenberg. Em suas aulas, ironizava e satirizava a venda de indulgências e bençãos pela Igreja Católica. Com o tempo sua fama foi aumentando e, com isso, aumentava também sua infâmia, já que o Papa e uma boa parte do clero não estavam nada felizes com as críticas que vinham sofrendo.

À parte disso, o Papa pretendia construir a basílica de São Pedro em Roma. Para isso, a venda de indulgências foi intensificada. Mas Lutero continua com seus ataques. Ele afugenta as pessoas para que parassem de dar dinheiro à Igreja.

A Publicação das 95 Teses

95 teses de Lutero, Martinho

Lutero, então, escreve e publica suas tão polêmicas 95 teses, reunião de desafios religiosos, pregando-as na porta da Igreja de Wittenberg. As 95 teses eram um convite para qualquer teólogo debater como a religião estava sendo aplicada com ele oralmente ou, se isso não fosse possível, por meio de cartas.

Com o tempo, a Igreja Católica começou a sentir suas caixas de arrecadação ficarem mais leves. O dinheiro estava parando de chegar devido às constantes denúncias sofridas. O Papa Leão X considera, então, excomungá-lo. Para isso, o convoca para uma audiência com os cardeais em Augsburgo. A universidade diz apoiá-lo, enviando uma carta de protesto à Roma para caso ele seja preso.

Um representante da Igreja o recebe. Diz a ele para se ajoelhar quando o cardeal chegar. E lhe dá a opção de revogar o que andou dizendo durante sua audiência. Em frente ao cardeal, perde perdão, mas não demora que sua busca por uma interpretação universal das escrituras (que, assim, poderia ser feita por qualquer pessoa alfabetizada) e suas críticas quanto às vendas de indulgências irritem o cardeal, que o abandona no meio da conversa.

Segundo o reformista, sua pretensão é somente divulgar a palavra pela fé e pelo amor a Deus e ao próximo. Mas, temendo uma perseguição pela inquisição, ele foge. A Igreja começa então a caçá-lo. Um dos primeiros atos é a tentativa de subordinar Frederico III, Príncipe de Wittenberg e fundador da Universidade na qual o personagem lecionava, que não cede aos presentes (entre os quais, a Rosa de Ouro), nem às ameaças.

Depois, a Igreja, em um ato de afronta, começa a queimar as publicações e livros escritos por Martinho. Mas ele não deixa isso barato, faz o mesmo com os escritos papais.

Frederico III, não conformado com essa perseguição, consegue do Imperador um julgamento justo na Alemanha para ele. Lá, com um salvo-conduto, a Igreja não poderia pegá-lo.

Julgamento em Worms

No julgamento, perguntaram a ele se renega ou não à suas publicações. Sua reposta, com direito a um dia de análise e reflexão, foi que não poderia renegar o que pensava e escrevia, visto que isso seria equivalente a renegar à sua própria fé cristã.

O Imperador, que até então estava mais ou menos neutro no conflito, começa a detestar Lutero. Os clérigos começam a arquitetar sua morte, mas ele sai depressa da audiência, antes que pudessem tomar qualquer decisão.

Durante sua volta para casa, homens encapuzados a mando do príncipe Frederico III o pegam e o levam para um local seguro antes que Roma pusesse as mãos nele.

Revoltas

Protegido dentro do castelo e sob o manto do Príncipe e da Universidade, começa a escrever contra a Igreja e a traduzir a bíblia para o alemão. Ao mesmo tempo, revoltas começam a eclodir por todas as partes contra o pagamento de indulgências. O povo começou a quebrar igrejas e imagens. Os padres se tornaram alvos dos protestos, sendo assassinados das mais variadas e horrendas maneiras.

Lutero fica chocado com tamanha devastação. Segundo ele, nunca quis morte nem destruição. Os camponeses haviam distorcidos suas palavras e agido contra suas teses. Suas críticas aos camponeses rebeldes desencadearam uma chacina. Os príncipes mataram muita gente. Foi dito no filme que morreram de 50 mil a 100 mil pessoas. Isso deixou Lutero ainda mais transtornado.

Algum tempo depois, termina sua tradução da bíblia para o alemão, que antes só era transcrita em latim (o latim era a língua considerada culta, usada para quase todos os escritos acadêmicos e eclesiásticos da época). Assim, as pessoas alfabetizadas na língua vulgar poderiam entendê-la.

Posteriormente, Martinho casa-se com Katharina von Bora, uma ex-freira e o Imperador Carlos V convoca os Príncipes do Sacro Império Romano-Germânico para a Dieta de Augsburgo exigindo que eles reneguem o protestantismo e a bíblia escrita em alemão. Os príncipes se recusaram e se impuseram ao imperador, o qual teve que ceder e permitir que os príncipes lessem a Confissão de Augsburgo.

Resumo do filme Lutero - Confissão de Augsburgo

Resumo da cena final do filme

O que as ações luteranas conseguiram realizar, mesmo que não da maneira mais apropriada, abriram as portas da liberdade de religião. Martinho Lutero viveu mais 16 anos, teve 6 filhos e um casamento relativamente feliz. Sua reforma teve impacto em diversas áreas, tais como economia, política, música e arte e com a tradução da bíblia para o alemão solidificou essa língua.

Hoje, mais de 540 milhões de pessoas praticam sua religião em igrejas inspiradas pela Reforma Protestante.

Vida e Obras

Resumo do filme Lutero - Pintura de LuteroComo o Lutero -resumo do filme retrata muito bem a vida e as obras d o personagem principal, aqui vamos fazer somente uma breve síntese do que a marcha luterana conseguiu com sua reforma.

Lutero nasceu em 10 de novembro de 1483 e morreu em 18 de fevereiro de 1546. Foi professor de teologia, padre, monge, compositor e o principal responsável pela Reforma Protestante. Foi também um grande crítico das indulgências católicas e da adoração das imagens de santos.

Ele acreditava que salvação e, consequentemente, a vida eterna não era obtida pelas boas ações, mas pela Graça de Deus por meio da fé em Jesus Cristo e em sua ressurreição pela redenção do pecado. Sua doutrina desafiou diretamente o papa e a autoridade da Igreja Católica ao dizer que não era necessário o intermédio de sacerdotes entre o indivíduo e Deus. A Bíblia Sagrada seria a única forma de interpretação da palavra de Deus dada aos homens.

Quase todo o resto da história pode ser visto no filme, que retrata a vida e as conquistas de Luteranas sob o prisma da Reforma Protestante.

Notas sobre o Filme

Como o resumo acima se prende totalmente ao que é mostrado na obra, algumas coisas devem ser esclarecidas. De acordo com o site da Wikipedia:

  1. Em uma cena do filme, o personagem principal cita a bíblia como tendo livros capítulos e versículos. No entanto, essa divisão em versículos só foi feita em 1551. E, mesmo assim, a divisão não era unânime até a Bíblia de Genebra.
  2. Nesse resumo do filme Lutero, escrevi que Frederico III recebe uma Rosa de Ouro como suborno. Apesar de o filme mostrar isso, é mais provável que ele tenha recebido esse presente bem antes, como um incentivo para concorrer a Imperador contra Carlos.
  3. Quem assistiu o filme percebe que ele te induz a pensar que o Papa Leão X morre pouco antes de Martinho se casar. Na verdade, o Papa Leão X morre mais de 1 ano antes de Lutero e Katharina se conhecerem.
  4. No filme, durante a cena da Dieta de Augsburgo, todos os príncipes eleitos se manifestaram em frente ao Imperador. Mas na vida real, somente 1, no máximo 2, estavam presentes, já que a maioria ainda era católica.

O que vocês acharam desse resumo do filme Lutero? Sabe de mais alguma coisa sobre o filme ou sobre o assunto? Comente aí embaixo e compartilhe o post para seus amigos!!

Ver também:

4 Comentários para “Resumo do Filme Lutero – Uma Breve análise”

  1. Como não é uma resenha crítica você não colocou sua opinião. Mas eu fico pensando como tem gente que ainda acredita nas falácias que o cinema conta de Lutero. Ele odiava os judeus, como quase todo “bom” alemão da época. Além disso, durante a chacina que foi feita pelos nobres contra os rebeldes, ficou praticamente parado e contemplando. Não é e nunca foi um exemplo para ser seguido.
    Suas obras podem ter repercutido por todo o mundo. E a tradução do novo testamento pode ter sido um ponto positivo do ponto de vista cristão. Mas falar que Lutero é um modelo que mudou o mundo para melhor. Bem, nisso eu tenho minhas dúvidas.

    1. Sim, foi basicamente só um resumo. Mas eu coloquei notas que a crítica costuma fazer ao filme Lutero. Lá você pode encontrar alguns desses argumentos aí. E é por isso também que incentivo meus leitores a comentar. Sempre existem coisas a mais que só vocês sabem. 😉

      Abraços

  2. Este é definitivamente um filme parcial, o que significa que só está interessado em dar um retrato simpático de Martinho Lutero e claramente mostrar a igreja católica como os “bandidos”. A história dele é interessante, e tem todo o direito de ser contada num filme, mas não esse não consegue passar a sensação que deveria. Existem algumas atuações boas, especialmente de Fiennes, e as imagens podem ser muito bonitas, mas no final você basicamente acaba se sentindo como se estivesse vendo um filme feito para a TV. A história que ele está contando é interessante, então se você ainda não a conhece, vale a pena dar uma olhada.
    Há momentos capazes de nos mostrar que poderia ter sido um bom filme, mas o resultado final não deixou uma forte impressão em mim. No momento em que os créditos rolaram, demorou a cair a ficha de que era o final. Não é ruim, mas também não é bom.

  3. Na terceira nota sobre o filme, vc argumenta que o Papa Alexandre VI não teve nenhum filho. Porém, consta na Wikipedia que ele teve quatro filhos de um relacionamento com uma dama de nome Vannozza dei Cattanei , outros três com maternidade desconhecida e possivelmente uma filha com outra amante. Wikipedia é uma fonte aberta, e por isso estou questionando se tens conhecimento de uma outra fonte sobre esta informação.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.