Resenha de A Cabana – William P. Young

O best-seller internacional A Cabana já passou a marca de 18 milhões de exemplares vendidos no mundo. No Brasil as vendas deste livro chegam a mais de 3 milhões de cópias.

A história de seu autor, William P. Young, por si só já é super interessante.Apesar de ter nascido no Canadá, ele foi criado pelos pais missionários em uma tribo indígena na Papua-Nova Guiné. William sofreu grandes perdas na infância e na adolescência.

Mesmo tendo passado por tantas dificuldades, ele possui uma alma profunda o suficiente para criar A Cabana, um livro cheio de mensagens tocantes e reflexivas. Para que você possa conhecer mais detalhes sobre este livro, continue lendo esta resenha de A Cabana.

Resenha de A Cabana - Livro A Cabana

Breve Resumo da história de A Cabana

A história de Mackenzie Allen Phillips é contada no livro A Cabana. A trama começa com o sequestro de sua filha mais nova, Melissa, durante as férias em família. Apesar de ele e as autoridades sempre terem procurado pelo paradeiro da menina, seu corpo jamais foi encontrado.

Evidências encontradas em uma cabana fizeram com que se acreditasse que Melissa foi brutalmente assassinada ali. Esta tragédia fez com que a união da família ficasse comprometida, deteriorando principalmente a relação entre Mack e sua esposa. A perda da filha também fez com que pai se distanciasse da fé e do Celestial.

Quatro anos mais tarde, o personagem recebe um bilhete suspeito convidando-o para visitar aquela cabana novamente. Aparentemente tal convite foi enviado por Deus, e por isso ignora todos os alertas de que isso poderia ser parte de uma armação contra ele,e voltando à cabana.

Neste local, o pai de família encontra revelações capazes de reverter a situação em que ele se encontra. Surge a questão sobre a influência de Deus em sua vida, mesmo que Mack tenha perdido o contato com sua religião. As respostas encontradas por ele são surpreendentes e transformadoras.

Resenha de A Cabana

Lançado pela editora Arqueiro, o livro A Cabana é repleto de reflexões. Seu lançamento gerou muitas dúvidas e um grande debate sobre o limite que separa Deus e a religião. Com o intuito de esclarecer da melhor maneira possível as muitas linhas que foram deixadas soltas nesta narrativa, preparamos esta resenha de A Cabana.

Esta é uma obra capaz de cativar diferentes pessoas, adeptas a todo o tipo de crença. O livro desperta interesse até mesmo naqueles que preferem possuir uma relação pessoal com Deus, independente de uma religião.

A Cabana busca transmitir ideias interessantes que estão por trás de uma narrativa pouco compacta e muito complexa. Uma desta ideias, talvez a mais importante dentre todas, é a que determina a diferença entre fé e religião.

A história contada neste livro nos ensina muito sobre a confiança em Deus. Nos é mostrado que é esta confiança que faz a diferença em nossa vida. Para que isso aconteça, William P. Young colocou nesta obra, sua mais sincera visão sobre a religião, o divino e como ambos se entrelaçam.

O livro A Cabana possui uma história esclarecedora que promove a relação entre leitor e narrativa. Isso acontece, principalmente, pelo espaço que a escrita do autor nos dá para a formação de opiniões distintas.

Para criar este espaço, William P. Young propõe alguns assuntos sem dar muita atenção a uma discussão sobre eles. Entretanto essa omissão de detalhes pode possuir um lado ruim. A falta de uma explicação aprofundada por parte do autor é um fator de dificulta o entendimento dos leitores sobre determinadas situações que ocorrem na história.

A leitura desta obra irá exigir uma certa quantidade de concentração e uma mente pronta para muitas reflexões. A Cabana mostra que as dificuldades nos fazem duvidar e, com o tempo, acabamos nos sentindo abandonados.

As dúvidas que Mack tem durante seus quatro anos de sofrimento o tornam um personagem mais realista. Com isso, o autor faz com que o público se identifique com as características e os atos do personagem. Young também facilitou esta aproximação ao conferir aspectos humanos a Santíssima Trindade, acrescentando-a à trama de forma icônica.

O personagem mais intrigante do livro é Elousia, na maior parte do tempo chamada de Papa. Ela é a personificação de Deus Pai e é referida como “ela” ao longo da história. Fisicamente, esta personagem é apresentada a Mack e a nós como uma mulher negra imponente e ao mesmo tempo sensível.

Elousia o orienta durante sua jornada de aceitação e reflexão, buscando constantemente guia-lo através de suas emoções mais duras sem deixar que ele desmorone sob o peso de seu sofrimento.

O Deus Filho também é retratado no livro como Jesus, sua personificação fala diretamente com Mack durante todo o livro sobre a sua fé e a sua confiança em Deus. Ele é retratado em A Cabana com feições do Oriente Médio e vestido com calças jeans e camisa xadrez suja com serragem. Através deste último detalhe, Young faz referência à afirmação bíblica de que Jesus tinha como sua profissão a carpintaria.

O Espírito Santo foi representado pelo autor na forma humana como a personagem Sarayu. É difícil para Mack conseguir vê-la e isso faz alusão ao que Sarayu representa.  Dessa forma, é possível mostrar como o Espiríto Santo não pertence ao mundo material, mas sim ao divino.

Além disso, o fato de que Mack não consegue olha-la diretamente nos indica que a presença do Espírito Santo é melhor percebida pela intuição e o coração do que pelos olhos.

Ao nos apresentar personagens com características muito diferentes daquelas que são idealizadas por nós, Young pretende nos ensinar que nem sempre as coisas são como imaginamos. Dessa maneira, ele consegue transmitir a ideia de que o inesperado pode nos trazer algo de bom.

A mensagem passada neste livro é de que Deus pode escolher nos causar dor e revolta,  mas são estes momentos que nos levam ao autoconhecimento. Com A Cabana podemos entender que para Young é Ele que nos guia através das dificuldades para que possamos crescer espiritualmente.

Ver também:

Vale ou não a pena ler A Cabana?

A Cabana possui uma história que foi incrivelmente bem escrita e é envolvente desde o início. Este livro nos faz refletir sobre muitas coisas sob um ângulo diferente do normal e pode chegar a mudar a nossa visão sobre o mundo. Ele pode te ajudar  a entender melhor a relação entre o homem e Deus e até mesmo confirmar alguns de seus pensamentos.

Para muitos religiosos conservadores, algumas das cenas descritas por William P. Young podem chocar. Isso se deve, principalmente, ao fato de o autor nos tirar de nosso conforto. Ele nos mostra os personagens de uma forma que não estamos acostumados e é preciso deixar a mente aberta para entender a mensagem por trás disso.

Este é um livro difícil de avaliar, já que ele pertence aos gêneros ficção e drama, mas trata de um assunto muito relevante: a fé. Apesar disso, depois de escrever esta resenha de A Cabana é inevitável dizer que esta obra vale a pena ser lida.

Recomendo ainda que você convide outras pessoas para lê-lo também, este detalhe é importante. A mensagem que este livro carrega será mais bem aproveitada caso ocorra um diálogo depois da leitura. É para formar ideias que ele foi escrito.

Gostou desta resenha de A Cabana? Não deixe de comentar sua opinião. Se você deseja ler uma resenha como essa sobre outros livros, é só deixar as suas dicas nos comentários.

Livro disponível na Amazon: 

Resenha de A cabana

3 Comentários para “Resenha de A Cabana – William P. Young”

  1. Que grande resenha do livro A Cabana. Tirou as palavras da minha boca. Gostei muito de como o autor nos apresenta esse lado espiritual da vida. Nada como um boa tapa na cara de vez em quando para percebermos o quanto somos pequenos frente a muitas coisas nesse universo. O ser humano se enxerga como muita coisa mas na verdade ele é um nada se comparado a Deus e ao que ele pode fazer. Não somos capazes de conhecer nem a nós mesmos, que dirá os planos do senhor. Só não gostei da forma de que ele apresenta Deus. Assim como no filme A Cabana, que eu não recomendo assistirem, isso é uma completa falta de respeito com os religiosos. Mas de resto a mensagem é legal.

    1. Na verdade, não há nada de errado com que o autor fez sobre representar os personagens bíblicos em A Cabana. O filme é também muito bom e muito bonito. Quero até parabenizar a direção de arte e o roteirista que foi muito capaz de transcrever muito bem as palavras do livro para as telas do cinema. Se você não gostou, tudo bem mas aja como um alienado ignorante que só pensa dentro da caixa e não sabe respeitar as opiniões alheias e principalmente a forma diferente de ver o mundo que cada um possui. Assim como nessa foi falado nessa resenha do livro A Cabana, eu também achei surpreendente a mensagem passada inclusive aos cristãos. Minha vó que é católica fervorosa adorou o livro e eu que não sou tanto assim também gostei. Então quem quiser ler o livro, leia. Vale muito a pena. e assista o filme também que é muito bom.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.